Escrita, Palavra de mãe

Diz que hoje é Dia Internacional da Família!!!

Ok. Serve o pretexto para fazer homenagem à minha!

Família é a nascente de onde brotei, o rio onde aprendi a nadar para me aventurar no mar que hoje navego!
Bonito???
Talvez!

Mas não é mais bonito do que aquilo que é a família. A família onde nasci e cresci, a família que me viu sair de casa para estudar e ir criar outra família de amigos que se apoiou durante 4 anos. A família que herdei quando casei. A família que fui herdando ao longo dos anos com os verdadeiros amigos que tenho.
A família que construo todos os dias no sei do meu lar.
Família é amor, é abrigo, é porto seguro, é aconchego, é mimo, é sermão, é… a prioridade!!!

Obrigada ao Ser Superior que me deu e trouxe a família que hoje tenho.

Obrigada a todos vocês pelo amor com que me brindam!

Obrigada Família!!!

Sem categoria definida

12 de Maio, Dia Internacional do Enfermeiro. Vontade de festejar? Nenhuma!!!

Completo 12 anos como enfermeira este ano e, neste 12 de Maio, nunca me senti tão triste de o ser. Mais triste ainda é o facto de não ter problema nenhum de o assumir, porque quer dizer que, efetivamente, algo está muito mal.

Sinto-me desrespeitada pela minha entidade patronal, sinto-me frustrada com a classe desunida que somos, sinto-me mais uma peça de uma orquestra que toca 24horas por dia e pergunto-me: o que acontecerá se pararmos de tocar?

São os enfermeiros que fazem um Hospital (ou qualquer outra Instituição de Saúde) mover.

É o enfermeiro que vela o doente de dia e noite.

É o enfermeiro que mantém o doente limpo, confortável, seguro, com a medicação a horas, que o prepara para o exame ou cirurgia, que lhe ensina o que vai fazer, como deve fazer.

É o enfermeiro que ouve as dores e queixumes e resolve com medicação, atitudes ou palavras.

É o enfermeiro que ri para alegrar o dia do doente, mesmo quando o seu dia está escuro.

É o enfermeiro que limpa as lágrimas do doente e familiar.

É o enfermeiro que lá está nas festas enquanto os seus estão em casa.

É o enfermeiro que atua para que tudo se conjugue no sentido de uma recuperação.

É o enfermeiro que fica a olhar para o doente e para o monitor.

É o enfermeiro que responde aos toques de máquinas, ventiladores, seringas que apitam.

É o enfermeiro que corre para salvar a vida.

É o enfermeiro que mantém cheias as seringas que seguram a vida.

É o enfermeiro que vê uma escassa linha de eletrocardiograma se transformar numa linha que anuncia o fim.

É o enfermeiro que prepara o corpo da alma que partiu.

É o enfermeiro que se encarrega que essa alma deixe esse corpo dignamente.

É o enfermeiro, sou eu e tu que estamos lá. Sou eu, que quis MESMO ser enfermeira, como primeira e única opção na candidatura à universidade – não,não queria ser médica e fiquei-me pela enfermagem.

Sou eu, que até há algum tempo acreditava na enfermagem como a profissão que previne, educa, cuida e restabelece, que acreditava na enfermagem como a profissão que pode criar ganhos em saúde. Ganhos EM SAÚDE, não GANHOS COM A SAÚDE. E é isto que me faz deixar de acreditar na enfermagem, porque somos o motor da máquina que se aprendeu a pôr a andar por dinheiro e não pela saúde.

Eu, que não ganho o que a lei diz que devo ganhar, que não ganho mais por trabalhar ao sábado, que não me pagam como devem as horas incómodas, que sou completamente esquecida no que diz respeito a decisões no funcionamento do sítio onde trabalho.

Eu, os meus colegas, que somos o motor da máquina, que somos os músicos da orquestra contínua, somos completamente destratados e desconsiderados por quem quer ter GANHOS COM A SAÚDE, quando nós fomos educados para os GANHOS EM SAÚDE.

Respondo, por fim, à minha própria pergunta do início deste texto “o que acontecerá se pararmos de tocar?”. Acredito que, neste momento, temos enfermeiros deprimidos a cuidar de doentes e que alguém tem de cuidar destes enfermeiros também. Por isso temos de parar,antes que paremos pelos piores motivos. Temos de parar, porque se nós pararmos tudo para. Porque nós somos o CORAÇÃO E O CÉREBRO do Sistema Nacional de Saúde e sem nós nada anda, nada toca, nada se ganha!

Assim não quero continuar a ser enfermeira.

A aventura da maternidade, Palavra de mãe

Hoje é Dia da Mãe. Sou mãe desde que tu existes, por isso este texto é para ti e não para mim.

Sinto-me mãe desde que fiz o teste de gravidez e ainda mais quando ouvi o teu coraçãozinho bater naquela ecografia. Poderei não ter sido a mãe que te esperava serenamente, sem angústias, mas fui a mãe que fez tudo o que pôde para que nascesses na altura certa, da melhor maneira, o mais saudável possível.

Sinto-me ainda mais mãe desde que senti a tua pele quente e molhada, acabadinha de sair do meu ventre, enquanto choravas como quem me anuncia ao mundo que chegou.

Não fui a mãe que conseguiu amamentar-te até tu seres capaz de dizer que tens fome, mas sou a mãe que zela todos os dias pela tua alimentação saudável, que luta todos os dias para que sejas forte.

Não sou a mãe que te veste de folhos, laços, fazendo-te parecer a princesa que és, mas sou a mãe que te aconchega de madrugada, te mantém quente e segura.

Não sou a mãe que te leva e te vai buscar à creche todos os dias, que te dá de jantar todos os dias e te conta uma história para adormecer, mas sou a mãe que pensa em ti nessas horas, que se preocupa se tudo estará bem.

Tento ser a mãe que te faz sentir segura, feliz, satisfeita, tento ser a mãe que te educa e ensina, que te mostra como se deve fazer. Tento ser a mãe de quem tu te orgulharás todos os dias da tua vida!

Sou mãe porque tu és minha filha, sou mãe porque em ti tenho o maior amor que se pode viver.

Feliz Dia da Mãe.

 

A aventura da maternidade, Beleza e bem-estar, Mãe, mas Mulher, Sem categoria definida

Hoje de manhã, enquanto me barrava nos meus cremes depois do banho, dei por mim a pensar. Celulite, gordurinhas… A barriga que salta das calças de ganga, quando me sento.

Ai, ai, ai.

Aqui há uns tempos, todas estas coisas me deprimiam e deixavam a pão e talinhos de aipo, a correr para o ginásio 7 vezes por semana, num contra-relógio tipo “Operação Biquini”.

Hoje dou por mim a pensar “E então?”

Sim, tenho gordurinhas, celulite, pedaços de carne a mais a saltar da calça, mas desculpem lá a expressão “Que se lixe”!!!!

Duas cirurgias a um pé, com o repouso inerente, aumento de muitos quilos durante a gravidez que, apesar de já terem desaparecido, deixaram um rasto do peso da gravidade e muitas tainadas com família e amigos são os responsáveis por isto.

“QUE SE LIXE!!!”

Com celulite e gordurinhas mas segura de mim e feliz pelo que tenho vivido 🙂

Quem mais se sente assim!

Passatempo

O blogue fez dois anos e eu prometi um passatempo.

Quase no final do Dia da Mulher, venho cumprir a minha promessa de há uns dias atrás.

O que tenho para oferecer?

17193827_1332582983447494_790022246_o

  • Um batom rosa;
  • Um delineador de lábios;
  • Um verniz rosa pastel;
  • Um eyeliner preto;

Tudo da gama THE ONE, da Oriflame.

Porque cada uma de nós é especial e é THE ONE.

O que fazer para se habilitarem a ganhar?

  1. Fazer gosto no facebook do blogue aqui;
  2. Fazer gosto no facebook Mulher Oriflame por Ana Azevedo aqui;
  3. Partilhar publicamente no Facebook esta publicação aqui;
  4. Identificar duas amigas na publicação de facebook aqui.

O passatempo dura até dia 22 de Março às 23h59m e o sorteio será feito por random.org

Participem!

Boa sorte!