Ser enfermeiro insatisfeito!

Entrevista “Ser enfermeiro insatisfeito” #4

Hoje trago-vos a entrevista com o autor do blogue “Porque deixei de ser enfermeiro” (aqui). Um enfermeiro, que não pretende deixar de o ser, mas que se confessa, todos os dias, desiludido com os enfermeiros, no seu blog. Vamos ver o que ele tem para nos dizer.

Conta-nos um pouco sobre ti.

Olá! Não posso contar muito sobre mim. Continuo a fazer esforços para manter o meu anonimato porque, como sabes, o meu blog por vezes aborda assuntos delicados e torna-se imprescindível mantê-lo assim, para que não haja quaisquer condicionalismos à liberdade de expressão e opinião.

Posso falar um pouco do Guilherme de Carmo. O Guilherme nasceu em 2008, nasceu com a ideia de levar à discussão alguns temas que dizem respeito à enfermagem, ou à saúde de uma forma geral. A ideia foi, e é, direcionar-me mais para questões morais do que técnicas. Curiosamente nasceu após leitura de um blog de um médico. Nessa altura, este autor fazia uma critica à classe de enfermagem. Recordo que a critica tinha alguns aspectos que talvez fossem justos, mas outros pareceram-me injustos. Esse sentimento de injustiça e a discussão/agitação que se criou em torno desse post, fez-me pensar que, de facto, a internet é uma ferramenta de alcance inimaginável, e por isso avancei com o blog, para ser mais um que procura abrir consciências e quem sabe, tentar a mudança.

Já desde há vários anos, enfermagem enfrenta um conjunto de adversidades e injustiças, no que diz respeito a condições de trabalho, carreira e vencimento condizente com aquilo que são as competências e responsabilidades de um enfermeiro. O Blog nasceu neste ambiente e, por isso, todas essas questões serão inevitáveis, é um blog que procura a verdade e a justiça, por vezes polémico, por vezes corrosivo, mas foi essa marca que os leitores seguiram. Foi com orgulho que vi o Blog crescer e tornar-se talvez um dos blogs no top 5 de blogs de enfermagem.

O blog já me proporcionou os mais diversos sentimentos. Já senti orgulho por levantar algumas questões e fazer alguns desabafos, com que os leitores se identificaram, reagiram, e dessa forma desabafaram também. Por uma ou outra ocasião, senti que as minhas palavras atingiram o alvo e, por coincidência ou não, algo mudava. Senti prazer ao incitar outros a escreverem, e ao ver que, por várias ocasiões, os posts escritos por essas pessoas tinham uma recetividade enorme. Já senti receio ao abordar uma ou outra questão, porque por vezes as pessoas não sabem lidar com uma opinião diferente. Mas acima de tudo senti, e sinto, que o blog funciona como um retiro espiritual, onde apesar de, por vezes, criar conflito e constrangimento, liberta-me para dizer aquilo que penso.

  

Porque escolheste seguir enfermagem?

No momento das decisões, tal como milhares de adolescentes, não sabia o que queria. Tive uma grande ajuda na decisão, essa ajuda disse-me que a enfermagem proporcionava-me vários caminhos. Fiquei aliciado com essa característica e, de facto, veio-se a comprovar, apesar de no nosso país, por vezes, não conseguirmos ir para a área que pretendemos.

Além disso, a área de estudo com que mais me identificava era a cientifico-natural, aliado ao facto de gostar de trabalhar com pessoas e ajudar o outro, optei, e bem, pela enfermagem.

Qual o teu sentimento relativamente à enfermagem atualmente?

Como deu para perceber pelo titulo do blog, estou um pouco desiludido com a enfermagem, ou melhor, com os enfermeiros, isto porque nunca fomos muito unidos nas nossas lutas, e por isso estamos como estamos… se tivéssemos a persistência e coragem dos pilotos da TAP, possivelmente estaríamos numa melhor posição e em melhor situação que estamos hoje. Sinto também que enfermagem precisa continuar a evoluir em Portugal, parece-me que estagnou um pouco, precisamos investir mais na formação em serviço e para isso é preciso pressionar quem nos “gere”.

 

Tens interesse noutra área, nomeadamente em alguma que já pensaste investir, ou até trocar a Enfermagem por isso?

Sim já pensei em trocar, acho que muitos de nós terão pensado também. A curto prazo não vejo viabilidade nisso, a longo prazo, quem sabe. Tenho interesse em muitas outras áreas como desporto, agricultura, turismo, floresta e tudo que seja ligado à natureza. Mas para investir é sempre preciso dinheiro e isso é algo que a nós não “nos assiste”!

 

O que pretendes estar a fazer daqui a uns anos?

Daqui a uns anos pretendo estar a trabalhar na comunidade, ou seja, estar inserido num projecto nos cuidados de saúde primários.

Obrigada Guilherme, pelo teu testemunho.

One Comment

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *