Boteco das Tertúlias

boteco-sugestao-da-catarinaVem cá meu amor, aproxima-te de mim.

Afasta-te do reboliço, da azáfama e do ócio e vem aconchegar-te debaixo da asa do nosso amor.

Quero sussurar-te o quanto te amo, o quanto te quero, mas quero sussurar, para mais ninguém ouvir, porque no que só nós sabemos ninguém mais pode interferir.

Vem cá meu amor, aproxima-te de mim, que os dois juntos somos mais belos e mais fortes.

 

Este mês o Boteco inovou. Uma das botequeiras lançou a imagem acima e desafiou-nos a escrever sobre ela. Isto foi o que me saiu.

Para verem o que surgiu às outras botequeiras, acedam a Life’s Textures, Contador d’estórias, Blog A Limonada da Vida.

Boteco das Tertúlias

No Boteco, este mês, decidiu-se falar sobre: Isto de ser Português. Acrescento já; isto de ser Português tem que se lhe diga.

Ninguém dava nada por nós há uns anos atrás e começámos a fazer-nos notar. Falo do futebol sim, foi o feito da nossa Seleção de Futebol que inspirou a publicação mensal do Boteco, mas não só.

Foi no futebol, atletismo, triplo salto, lançamento do peso, hóquei, em todas estas modalidades sagrámo-nos campeões e desculpem-me por estar a omitir alguns.

Mas não é só no desporto que vingamos, já desde os Descobrimentos que damos cartas, e temos continuado a fazê-lo, na ciência, literatura, artes, desporto. Isto faz-me pensar; somos um povo de grande qualidade, tudo concentrado neste pequenino País à beira mar plantado.

Outra coisa em que somos imbatíveis é a gastronomia. Deixo-vos pratos tipicamente Portugueses, pratos que as nossas avós e mães fazem, e que também eu quero passar às próximas gerações.

113cc66c849c5b1f028704d20a9e62ad6_cabidela_galinha
Arroz de cabidela   Foto retirada de www.petiscos.com

 

papas_de_sarrabulho-receita-my-restaurantes
Papas de sarrabulho – Foto retirada de www.myrestaurant.pt

 

rec0218-m
Cozido à Portuguesa – Foto retirada de www.gastronomias.pt

 

Para saberem o que dizem as outras meninas do Boteco, vão aqui, aqui, aqui e aqui.

Boteco das Tertúlias

Lá no Boteco decidiu-se falar sobre profissões este mês. Upa lá lá, que isso tem pano para mangas, podia escrever um relatório sobre isso, mas não o vou fazer, porque gosto que leiam os meus textos até ao fim e com interesse.

Brevemente fará 11 anos que me licenciei enfermeira. 11 anos!!! Verdade.

Porque decidi seguir Enfermagem? Sinceramente não sei, só sei que era isso que queria ser e a única coisa para a qual concorri.

Tive a sorte de começar a trabalhar muito pouco tempo depois de acabar o curso e ao lado de casa – acho que acabei o curso no final dos tempos melhores da Enfermagem. Os primeiros dois anos como enfermeira foram exclusivamente para trabalhar, aprender, assimilar, trabalhar, trabalhar, trabalhar. Depois destes dois anos, como bichinho carpinteiro que sou, sempre fui algo mais que enfermeira.

Já vesti o papel de orientadora de alunos, em tempo de serviço e fora dele, queimei muita pestana e voz como formadora, arruinei com o resto da pestana que sobrou com o Mestrado que tirei. Fora da Enfermagem, posso dizer-vos que também dei umas cartas como manicure e pedicure e fiz muita unha de gel, seguiram-se umas aventuras com vendas online. 

Neste momento sou apenas e só uma enfermeira, mãe, esposa, dona de casa e, claro está, autora deste blogue (não me habituo a chamar-me de bloguer).

Se gosto do que faço? Gosto!

Se me imagino a fazer isto o resto da vida? Talvez não.

O que gostaria de fazer? Eh pahhhhhhhh!!!! Fui tirar um Mestrado porque queria dar aulas, orientar alunos, ensinar o que sei e aprender enquanto ensinava. Mas foi uma época tão dura e tão má da minha vida esses dois anos (duríssimos a trabalhar, dar formação, estudar, escrever uma tese) que decidi que não iria estudar tão cedo, e o mercado da educação da saúde está “viciado” (se é que me percebem), de modo que nunca consegui, sequer, dar umas horinhas numa escola.

Podia dar-vos aqui uma seca sobre o estado da Enfermagem, sobre como somos desvalorizados, mal pagos, blá blá, blá… Mas não me apetece, lido com isso todos os dias, e não me faria bem estrebuchar para aqui. Se quiserem perceber um pouco como me sinto no final de um turno cansativo, ou porque estão tão desmotivados os enfermeiros, leiam aqui e aqui.

O que queria? Não me sentir mais uma no meio da multidão, sentir que o meu trabalho é respeitado e eu não sou apenas mais um número mecanográfico, acordar todos os dias com um pulo fora da cama de tão ansiosa que estou por trabalhar, de contribuir com o meu cunho. Como? Onde? Em que contexto? Não faço ideia. Sinto frequentemente que tenho algo de muito bom reservado para mim (leiam aqui). A ver vamos se acontece.

Para saberem mais sobre as profissões das frequentadoras do Boteco, leiam aqui, aqui, aqui e aqui.

Boteco das Tertúlias

Ai que eu vou entrar de férias e não quero!

Pasmem-se! Em Maio estou de férias o mês todinho, e não estou feliz. Porquê? Quer dizer que acaba a licença de maternidade, e estou mais perto de voltar ao trabalho e deixar a minha princesa.

Por isso, já só desejo o outro período de férias, o de Verão, em que vamos os três de férias. Vai ser diferente de todas as outras férias…

… praia das 8h às 11h e das 17h às 20h…

..arsenal de coisas atrás de nós para a praia…

… vai ser super divertido vê-la a chapinhar com as mãos na água…

…vamos tirar fotos super engraçadas dela…

E isto só me faz pensar:

Praia nas horas menos movimentadas? Maravilhoso, ninguém vê como estou branca e fora de forma.

Arsenal de coisas atrás de nós para a praia? Espetacular, maneira de fazer pesos durante as férias!

Vai ser super divertido vê-la a chapinhar com as mãos na água, e assim todas as atenções estão viradas para ela.

Vamos tirar-lhe fotos super engraçadas dela, e só dela, porque eu não quero o meu registo neste Verão.

Estarei a exagerar, não estou assim tão mal, nem assim tãaaaaao preocupada com o assunto, porque tudo leva o seu tempo mas, pelo sim, pelo não, acho que vou comprar um destes livros, para ver se ajuda em alguma coisa.

Conhecem algum deles?

 

Este artigo está inserido no projeto Boteco das Tertúlias, no qual fui convidada a participar. A Tânia Almeida, a idealizadora deste Boteco diz, no seu blogue Life’s Textures:

“O projecto Boteco das Tertúlias, carinhosamente chamado de Boteco, é um grupo formado por bloggers bastante diferentes, com histórias de vida muito ricas e algo em comum: o prazer de escrever.

Sintam-se à vontade para entrar, sentar e conhecer o nosso Boteco, onde não vão faltar conversas e reflexões profundas (ou nem tanto) sobre temas do quotidiano, que podem interessar a todos e que encontram em cada uma de nós uma perspectiva e voz diferentes.”

Para mim, é mais uma forma de conhecer outras bloggers, outros blogues, conhecer outras formas de escrever, continuar a escrever e refletir.

Boas férias para todos. 🙂